Marcas e patentes devem ser contabilizadas pelas empresas

Em um mercado extramente competitivo como o de hoje em dia, os diferenciais são fundamentais para garantir o crescimento de uma empresa. Nesse contexto, as marcas e patentes representam instrumentos efetivos de diferenciação e exclusividade em relação à concorrência. Por isso, esses chamados “ativos intangíveis” – termo usado na contabilidade – são tão importantes e devem ser contabilizadas pelas empresas.

A importância de marcas e patentes

O valor de mercado de muitas empresas acaba superando seu valor contábil. Muitas vezes esse fenômeno está relacionado ao valor de seus ativos intangíveis, como as marcas e patentes, o modelo de negócios, a capacidade de inovação, os recursos humanos etc. Vivemos na chamada “Era do Conhecimento”, na qual a inovação e o capital humano são mais relevantes ao valor do negócio do que precisamente os ativos físicos em si.

A expressão “Marcas e patentes” engloba dois ativos intangíveis da mesma espécie: as marcas (sinais, nomes, símbolos etc) e as patentes (instrumento que confere ao inventor o direito de impedir terceiro de utilizar invenções). Geralmente eles representam pequenos gastos com o processo de registro de marcas e patentes de invenções próprias, ou, também, com a aquisição de direitos de uso de marcas, patentes, processos de produção, por exemplo, através de contrato de uso de marca e patente firmado com terceiros.

A marca é um dos ativos mais importantes em uma organização, pois representa a permissão para que uma empresa faça negócios com seus clientes. É através dela que o mercado às reconhece e passa a desejar seus produtos e serviços. Já as patentes, permitem a exclusividade de produção ou do uso de processo inovador que coloca a companhia em vantagem perante a concorrência.

Como contabilizar marcas e patentes

Normalmente, as áreas de contabilidade das empresas registram os custos relacionados às marcas e patentes em uma mesma conta contábil, porém, quando os valores forem expressivos é bastante recomendado que a empresa crie uma conta distinta para cada um dos itens. Os custos com o registro de marcas e patentes, comerciais ou industriais, ocorrem, em geral, no início das atividades da empresa, mas podem também acontecer durante o período de existência dela.

O entendimento dos profissionais de contabilidade é de que os custos que a empresa teve para a criação de marcas próprias, por exemplo, não devem ser registrados em conta “Ativo Intangível”, uma vez que não podem ser separados dos custos relacionados ao desenvolvimento do negócio como um todo. Neste caso, devem ser registrados como custo ou despesa operacional.

É recomendado consultar um contador para que a contabilização de marcas e patentes seja feita de forma correta e, com isso, possa agregar valor à sua empresa.

Posted in:
About the Author

Sergio Capozzielli

Sergio Capozzielli é jornalista e especialista em gestão de negócios pela ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing. Atuou como Analista de Marketing na Rede Globo de Televisão. É Consultor de Empresas e Redator Publicitário de Marketing de Conteúdo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *